Resenha: Immortalis – sukekiyo

Breve histórico: sukekiyo é o projeto solo do cantor Kyo, vocalista do Dir en grey, uma das mais famosas bandas japonesas. Conta com dois ex-membros do Rentrer en Soi: Takumi (guitarra/piano) e Mika (bateria). Completam a formação o guitarrista Uta (ex-9Goats Black Out) e o baixista Yuchi (Kannivalism).

Reprodução da capa do álbum (© Firewall div.)

Reprodução da capa do álbum (© Firewall div.)

Talvez o membro mais popular do quinteto japonês, Kyo não é bem aquele frontman simpático e alegre que sai pulando e sorrindo pelo palco. Até pouco tempo atrás, os shows da banda eram marcados por seus atos de automutilação. Maquiagem corporal simulando queimaduras e esqueletos também não eram incomuns. Hoje, suas performances são um pouco mais leves, mas nem por isso menos sombrias.

Era de se esperar, portanto, que um lançamento solo de Kyo fosse um trabalho de bastante personalidade. Quem é fã de Dir en grey certamente simpatizará com Immortalis, primeiro lançamento solo do sukekiyo. O som é bastante influenciado pelos últimos dois álbuns da banda principal do vocalista: sombrio, melancólico e “deprê”. Mas sem muito peso – as guitarras, tímidas, não demonstram agressividade na maior parte das faixas. É como se Kyo, que já lançou livros de poesia, quisesse apenas criar uma atmosfera sonora para suas sempre criativas letras.

Uma atmosfera bem difícil de se classificar, diga-se de passagem, tal como é o som do Dir en grey. Para esses momentos de dificuldade, sobram sempre os rótulos fáceis como “rock/metal alternativo”.

Mas há algumas músicas mais “encorpadas” também. “Latour”, “Nine Melted Fiction” e “Hidden One” são exemplos. O time de instrumentistas, desconhecido para quem acompanha só de longe a cena japonesa do rock/metal, demonstrou competência e técnica para dar sustentação sonora à proposta do vocalista. São linhas “sérias”, sombrias, misteriosas.

Mas não foi apenas nas letras que Kyo demonstrou capacidade aqui. Quem acompanha o Dir en grey sabe bem que Kyo é um sujeito tecnicamente habilidoso. Do gutural aos agudos, passando por sussurros tenebrosos, gritos agoniantes e rosnados raivosos, o japonês aproveita o espaço que é só seu para mostrar por que tem tantos fãs por aí.

Nota: 8. Não chega a ser uma obra prima da música nipônica, mas sem sombra de dúvidas um trabalho bastante pessoal e marcante. É a primeira vez que um membro do Dir en grey se aventura num projeto solo, e se alguém tinha alguma dúvida da eficácia desta manobra, Kyo acaba de saná-la. Qualquer tentativa de se criar um segundo disco do sukekiyo será bem-vinda agora que já sabemos que o projeto tem brilho próprio.

Aqui, o vídeo de “Aftermath”, não disponível no YouTube.

Anúncios

Resenha: “Omertá” surpreende logo de cara, algo difícil no metal atual

Breve histórico: Adrenaline Mob é um supergrupo de heavy metal fundado pelo baterista Mike Portnoy (ex-Dream Theater), o vocalista Russell Allen (Symphony X, Star One) e o guitarrista Mike Orlando (Bumblefoot, Zakk Wylde). Foram brevemente complementados pelo baixista Paul DiLeo e pelo segundo guitarrista Rich Ward, mas ambos acabaram saindo antes do lançamento do primeiro álbum, Omertá. Apenas o baixista foi substituído – John Moyer (Disturbed) assumiu as quatro cordas há um mês.

Reprodução da capa do álbum (© ESL Music)

Adrenaline Mob é diferente daquilo que os seus integrantes fizeram em suas (vastas) carreiras. E é isso que torna o projeto interessante – ninguém estava esperando por uma sonoridade como essa quando a banda começou a ser anunciada. Até porque seus membros fundadores são conhecidos por fazer um som um pouco mais limpo, ainda que igualmente pesado. Omertá, disco de estreia do quarteto — originalmente quinteto — mescla metal alternativo, industrial, progressivo e tem até alguns toques de thrash e nu metal.

Difícil dizer qual dos músicos está se destacando mais aqui, mas a voz poderosíssima de Russell talvez seja a primeira coisa a chamar a atenção do ouvinte, mesmo para quem já acompanha seu trabalho no Symphony X. Os riffs fortes e marcantes de Mike Orlando, aliados às batidas firmes de Mike Portnoy ditam o ritmo do álbum. Além dos riffs, Mike Orlando trouxe solos bastante técnicos e interessantes, que dão certa solidez ao trabalho. Outra característica notória desta obra é soar constante, sem grandes mudanças entre uma faixa e outra, e mesmo assim não enjoar.

Basicamente, Omertá pode ser dividido entre séries de faixas destruidoras, das quais destacam-se “Undaunted”, “Hit the Wall”, “Feelin’ Me” e “Down to the Floor” e alguns “respiros” posicionados entre elas: “All on the Line” e “Angel Sky”, duas belas baladas, e “Come Undone”, cover do Duran Duran, que conta com a participação da vocalista Lzzy Hale, dona de uma bela voz. O curioso da faixa é que Lzzy parece cantar com mais agressividade que Russell, que limitou-se a cantar versos de maneira mais “limpa”, ainda que com notável emoção.

Nota = 8,0. Surpreende logo na primeira escutada, logo na primeira faixa, algo raro nos lançamentos de heavy metal atualmente, o que torna este álbum uma obra que entraria facilmente numa lista de “melhores de 2012”. Já foi dito, mas não custa repetir: não espere um “Dream Theater encontra Symphony X” com este álbum só porque membros das duas bandas estão aí. Espere algo menos ambicioso, mas igualmente primoroso.

Abaixo, o vídeo da faixa de abertura, “Undaunted”: