Resenha: Nova Sekai – Nova Sekai

Reprodução da capa do álbum 'Nova Sekai', da banda de mesmo nome. Trata-se da foto de um rochedo em um local desértico ante um céu noturno roxo-claro, com um fino anel de luz em volta de seu topo

Reprodução da capa do álbum (© William Gibson)

Esta provavelmente vai ser a resenha mais “às cegas” que já escrevi em dez anos de blog. Porque o objeto desta análise – Nova Sekai, de uma banda homônima japonesa – é algo muito, mas muito obscuro.

Explico: foi na Amazon.com, e muito por acaso, que tomei conhecimento deste disco cujo chamativo para mim foi a bela capa, que me remeteu ao cenário final do clássico Contatos Imediatos de Terceiro Grau (1977), de Steven Spielberg.

Só que tirando a presença nas plataformas digitais, é um grupo-fantasma. Tudo que se encontra sobre ele é o nome, a capa e as faixas da obra. Não dá pra saber quem toca os instrumentos, nem quantas pessoas estão envolvidas. Só posso dizer uma coisa: adoraria que “saíssem do anonimato”. Porque com certeza estamos falando de algo acima da média no que diz respeito ao metal progressivo instrumental.

A música do Nova Sekai, que tem ainda suaves aromas de stoner e thrash, dá certo muito devido à ciência que cada integrante tem quanto a sua função em cada uma das cinco peças. Quando é para prover uma boa base, eles provêm uma boa base. Quando é para solar com maestria, eles solam com maestria. Isso fica bem claro na relativamente breve abertura “~B I L L Y T I M E~”, bem como em sua sequência “Here Were Dragons”.

Parece uma descrição boba do som deles, mas é que nem sempre essa divisão de papeis parece óbvia para aqueles que acabam tornando a música uma batalha de “egos”. Aqui, tudo está muito bem azeitado e “fluindo como óleo”, como diria Mozart. Posso deduzir que o trabalho não envolveu gente em início de carreira.

De todos as pessoas tocando (seja quantas forem), a que mais me chamou a atenção foi a que empunha as baquetas, algo raro. O jeito que ela (ab)usa (d)os pratos, sei lá, é diferente.

A pessoa responsável pelas teclas também já tem lugar reservado no meu coração. Além de se destacar ao longo do álbum todo, ela ganha um solo inteiro em “Retro Runner”, uma peça 8-bit que empolgará até o mais tr00 666 from hell dos provavelmente pouquíssimos que sequer chegarão a ouvir este disco.

Correspondendo a praticamente 1/3 do lançamento, a quinta e última canção, “Raised By Giants”, não justifica seus doze minutos e meio, sendo um clássico exemplo de música esticada, e não longa. Riffs são repetidos à exaustão, com participação diminuta do/a tecladista.

Mas este pequeno detalhe – comentário irônico para uma peça épica, não? – não muda o bom resultado da obra, que oferece mais ou menos o que seu título promete misturando latim com japonês – um “novo mundo”.

Avaliação: 5/5

Abaixo, a faixa “~B I L L Y T I M E~”:

Resenha: No Democracy – GLAY

capa do álbum No Democracy, de Glay

Reprodução da capa do álbum (© Pony Canyon)

Para marcar seu 25º aniversário enquanto grupo mainstream (a banda de fato existe desde 1988) e também seu 15º lançamento de estúdio, o quarteto japonês de pop rock GLAY deixou em 2019 uma marca chamada No Democracy.

Se o bom Summerdelics (2017; clique aqui para conferir minha resenha a respeito) era um trabalho de “volta às raízes”, este produto aqui vê os rapazes mantendo um pé nessas raízes e outro na musicalidade mais sofisticada e densa dos três discos anteriores (Justice, Guilty (clique aqui para conferir minha resenha a respeito destes últimos) e Music Life).

A abertura sinfônica “REIWADEMOCRACY” deixa isso bem claro, ainda que sua sequência “Hansei no Iro Nashi” dê preferência para o rock cru deles. A primeira que empolga é a saudosista “Flowers Gone”, com toda aquela pegada indie de seus trabalhos iniciais. E não se deixe enganar pelo jeitão de balada de “Koori no Tsubasa”, pois o seu minuto final é um jazz delicioso – e só a performance de Jiro no baixo já compensa e muito a audição.

O “meião” do álbum deixa um pouco a desejar. Temo bons momentos como a empolgante “Ah, Mujou” e “Just Fine”, com uma guitarra que lembra Tak Matsumoto (B’z) em alguns momentos – ele produziu o primeiro disco solo do guitarrista rítmico e principal compositor e letrista do GLAY, Takuro (que assina a música e a letra desta faixa), então faz todo sentido.

Inclusive, vale lembrar que ele volta a reinar nas composições e letras desta obra, diferentemente da anterior, em que os outros membros haviam recebido mais espaço autoral.

Voltamos a ter um destaque em “Anata to Ikite Yuku”, com um riff bem original e trabalhado ao lado das cordas, e a balada “Colors”, que não surpreende quem conhece a discografia do quarteto, mas mesmo assim destoa da mesmice que imperou nesta segunda metade.

“Urei no Prisoner” resgata aquele “quê” de abertura/encerramento de anime que o grupo sempre teve e o encerramento “Gengou” traz como diferencial um belo adorno de gaita.

Pesando tudo, No Democracy foi um disco bom e que faz jus aos marcos que ele representa, ainda que permaneça aquele sentimento, aquela impressão de que a banda poderia ter entregue ainda mais.

Nota = 4/5.

Abaixo, o clipe de “Colors”:

Resenha: Metal Galaxy – Babymetal

Reprodução da capa do álbum (© Babymetal)

Já absolutamente estabelecidas comercialmente e não mais podendo surfar na onda do ineditismo, a dupla de kawaii metal Babymetal marca o ano de 2019 com seu terceiro lançamento, Metal Galaxy.

A ideia do título (“Galáxia do Metal”, em tradução livre) é que as meninas estão embarcando em uma jornada pela galáxia do gênero, explorando suas diversas possibilidades.

É algo na linha do que já fizeram no lançamento anterior, Metal Resistance (clique aqui para ver minha resenha a respeito), mas desta vez explorando novas possibilidades, de forma a manter os fãs entretidos e surpreendidos – afinal, kawaii metal só choca quem esteve em coma nos últimos cinco ou seis anos.

As três primeiras faixas (“Future Metal”, “Da Da Dance”, “Elevator Girl”) passam sem impressionar nem surpreender, exceto pelo fato de que adotam uma roupagem eletrônica mais intensa que o disco anterior e mais próxima da estreia autointitulada delas (clique aqui para ver minha resenha a respeito).

A segunda, inclusive, foi muito antecipada por mim por conter uma participação do maior guitarrista vivo japonês (Tak Matsumoto, do B’z), mas sua presença passou praticamente despercebida (até porque, heavy metal nunca foi seu habitat natural).

Mas logo depois, chegam nossas primeiras (e gratíssimas) surpresas. A começar pela imprevisível incursão delas pela música indiana, “Shanti Shanti Shanti”. Sério, qual a chance de um grupo de heavy metal encabeçado por cantoras pop japonesas criar uma canção influenciada por instrumentalização indiana? Ah, como eu amo música…

Em seguida, uma espécie de evolução de “Meta Taro”, do Metal Resistence, que trazia fortes influências de Korpiklaani e metal pirata. “Oh! Majinai” é mais do que uma faixa influenciada pelos finlandeses. É praticamente um cover deles, mas sem uma música específica como “alvo”. E de quebra, temos ainda a participação de Joakim Brodén, dos também escandinavos Sabaton, provendo um necessário contraponto masculino e rasgado às vozes das meninas. Esta sim é uma participação que faz sentido.

“Brand New Day”, além de retomar o lado eletrônico delas, tem mais uma participação “estranha”. Aliás, duas. Tim Henson e Scott LePage, guitarristas do quarteto estadunidense de rock progressivo instrumental Polyphia, vêm deixar alguns sons aleatórios que não parecem impossíveis de serem feitos por outros guitarristas quaisquer.

“↑↓←→BBAB” (seja lá como se lê esse diabo desse título que parece baseado no famoso “código Konami”, uma sequência de comandos que destravam truques em vários jogos da marca japonesa) adota sons eletrônicos novamente, mas desta vez especificamente sons de 8-bit, no melhor estilo DragonForce. Ela é uma das faixas exclusivas da edição japonesa, que veio dividida em dois CDs.

Foi prometido que “Night Night Burn!” teria elementos de música latina. Acabaram sendo temperos bem discretos, porque o máximo que se ouve é uma percussão mais regional aqui e ali e um ou outro fraseado diferente nas guitarras. Mas valeu pela tentativa de explorar novos terrenos.

O disco dois já começa de forma bem mais empolgante, com um instrumental mais maduro e somente vocais de fundo ou guturais, sem grande participação das meninas. Elas voltam em “Distortion”, primeiro single a ser divulgado, juntamente à lendária Alissa White-Gluz (Arch Enemy), que deixa mais uma participação discreta na versão do álbum.

A participação especial mais assertiva de todas vem logo depois, quando o rapper (sim, rapper) tailandês F.Hero deixa uma contribuição na divertida “Pa Pa Ya!!”. Como pode um rapper ter a participação mais marcante numa obra de metal com vários nomes importantes do gênero?

Este segundo disco também tem mais uma faixa exclusiva japonesa, também inchada ao máximo com modismos eletrônicos: “BxMxC” (seja lá como se lê esse diabo desse título) [2].

Após a ótima “Kagerou”, entramos numa espécie de thread e o álbum se encerra com uma trilogia de peças interligadas por leves sons sombrios: “Starlight”, ótima e dona de um dos riffs mais empolgantes; “Shine”, que infelizmente não preencheu seus quase seis minutos com algo que justificasse este comprimento todo; e “Arkadia”, tão descaradamente influenciada por DragonForce que eu procurei os nomes Herman Li e Sam Totman no encarte.

Ah, é bom lembrar que este é o primeiro trabalho das Babymetal sem Yuimetal, dançarina e vocalista de apoio que deixou o então trio um ano atrás. Honestamente, em nenhum dos quase 60 minutos de música oferecidos aqui sente-se a falta da dita-cuja.

Metal Galaxy tem como mérito manter a essência do som das meninas (até mais que o Metal Resistance) ao mesmo tempo em que segue na exploração de novos terrenos, sendo talvez um dos ícones recentes do fato de que a música não conhece limites.

Nota = 5/5

Abaixo, o clipe de “Pa Pa Ya!!”: