Resenha: Third Degree – Flying Colors

Reprodução da capa do álbum (© Mascot Label Group)

Cinco anos separam Third Degree, terceiro lançamento de estúdio do supergrupo estadunidense Flying Colors, de seu antecessor, o estupendo Second Nature (veja aqui minha resenha a respeito).

A desvantagem dos supergrupos costuma ser justamente essa falta de tempo para manter o projeto funcionando regularmente. Especialmente um que envolve Casey McPherson (vocais, guitarra base), Steve Morse (guitarras), Neal Morse (teclados, vocais, sem parentesco com o anterior), Dave LaRue (baixo) e Mike Portnoy (bateria, vocais). Todos envolvidos em múltiplas outras bandas em plena atividade. Não por um acaso, a primeira sessão do álbum aconteceu em dezembro de 2016 e a segunda só ocorreria exatos dois anos depois.

A vantagem, pelo menos no caso do Flying Colors, é que não importa o que eles façam, você sabe que vai ser bom. E aqui não foi diferente. Third Degree não impressiona tanto quanto Second Nature, cujo “exibicionismo” melódico e harmônico foi de tirar o fôlego, e demora um pouco mais para agradar, mas ele ainda tem lugar garantido em qualquer lista de melhores do ano que se preze.

Uma característica que sempre os marcou é a improbabilidade de um grupo destes ter surgido e ainda por cima dado certo. Porque ele põe cinco bagagens musicais bem distintas em rota de colisão. Mas eles sempre encontram um meio de fazer tudo fluir bem, alternando trabalhos mais agressivos e progressivos com outros mais leves e acessíveis. Tiveram êxito em reforçar como a sofisticação do rock progressivo pode casar com a simplicidade e a comercialidade do pop.

Em Third Degree, isso fica bem em evidência. As primeiras faixas, “The Loss Inside” e “More”, exploram o lado mais agressivo e pesado do quinteto. Depois, temos “Cadence” e “Guardian”, que estão longe de serem baladas, mas adotam uma sonoridade relativamente mais pacífica. A segunda tem uma pegada que lembra “Kayla”, pérola da estreia autointitulada deles (clique aqui para conferir minha resenha a respeito).

O lado mais rebuscado deles voltará a ser explorado na cativante e rítmica “Geronimo”, enquanto que “Love Letter” é, podemos dizer, a surpresa do álbum. Uma canção com fortíssimos temperos sessentistas/setentistas que, muito apropriadamente, recebeu um vídeo com estética psicodélica e colorida.

A balada de fato do disco é “You Are Not Alone”, escrita após Casey vivenciar o furacão Harvey em sua cidade (Austin, Texas) e testemunhar a subsequente onda de solidariedade entre os moradores da região atingida.

Para equilibrar os mundos que o Flying Colors representa, nada melhor que faixas épicas, com espaço para muito material musical. E para isso temos “Last Train Home” e “Crawl”, com a última sendo bem melhor que a primeira ao explorar de forma mais completa o talento do qual a banda como um todo dispõe.

A edição especial do álbum vem com um segundo CD com algumas simpáticas versões instrumentais e alternativas de “Last Train Home”, “Geronimo”, “You Are Not Alone” e “Crawl”; uma versão acústica de “Love Letter”; e aquilo que sozinho já compensaria a compra do disco adicional inteiro: a faixa bônus “Waiting for the Sun”, que é simplesmente boa demais para ficar de fora da edição regular.

Third Degree tem como único defeito não ser superior ao seu antecessor, mas chegou tão perto, e estamos falando de uma banda que já é a princípio tão acima da média, que isso não me impedirá de conceder nota máxima a esta belezinha.

Nota = 5/5

Abaixo, o clipe de “The Loss Inside”:

Resenha: Second Nature – Flying Colors

Breve histórico: Juntando quatro nomes consagrados do rock e um vocalista/guitarrista relativamente desconhecido mas que fez jus à oportunidade concedida, Flying Colors é um dos supergrupos fundados por Mike Portnoy após sua saída do Dream Theater em 2010. O som do quinteto apresenta uma mistura de influências de rock progressivo, hard rock, pop rock e alguns aromas de heavy metal.

Reprodução da capa do álbum (© Mascot Label Group)

Reprodução da capa do álbum (© Mascot Label Group)

Após arrancar elogios da crítica especializada com seu disco de estreia, autointitulado (e resenhado neste blog), o Flying Colors conseguiu, aos trancos e barrancos, lançar seu segundo álbum, Second Nature. Aos trancos e barrancos porque as sessões de gravação foram intercaladas com as agitadas agendas dos integrantes. Alguns ensaios chegaram a ser realizados por videoconferência. Se fosse uma banda amadora, o resultado poderia ser um disco visivelmente feito nas coxas. Mas como se tratam de cinco profissionais, sendo quatro com vasta experiência, o resultado foi positivo.

Mike Portnoy, Neal Morse, Steve Morse (sem parentesco), Dave LaRue e Casey McPherson são os componentes deste supergrupo que desde o início já havia colocado a crítica aos seus pés. O que eles têm a nos dizer com Second Nature? Em primeiro lugar, eles acabam com qualquer dúvida sobre a capacidade dos envolvidos em apresentar um trabalho melhor que o anterior.

Não que o som tenha sofrido uma grande mudança, mas o amadurecimento é evidente. Se em Flying Colors a banda explorava suas incontáveis influências faixa a faixa, já gozando de uma química musical dificilmente estabelecida tão rápido, em Second Nature ela parece ter achado um denominador comum. Não uma estrutura a ser reproduzida em todas as faixas, mas um ponto referencial em volta do qual as músicas serão desenvolvidas.

Cada riff do álbum tem um tempero especial. O folk da abertura de “One Love Forever”, o momento Bruce Springsteen na segunda metade de “Cosmic Fusion”, as lembranças de The Winery Dogs em “Bombs Away”, e por aí vai.

Um disco daqueles que já nasce candidato a top 10 de 2014, que agradará aos fãs da maioria das vertentes do bom e velho rock e que faz jus ao poderio dos envolvidos.

Nota = 9,0. No primeiro trabalho, a banda tinha tempo, mas não tinha ainda uma identidade certa. Neste segundo disco, eles tinham identidade, mas não tiveram tempo. Imagine o que será do terceiro trabalho se os dois fatores casarem.

Abaixo, o video de “Mask Machine”:

Resenha: Flying Colors tem qualidade para ser uma banda “séria”

Breve histórico: Flying Colors é um supergrupo de rock recém-nascido, formado por Mike Portnoy na bateria e nos vocais, Dave LaRue no baixo, Casey McPherson nos vocais, guitarra e teclados, Neal Morse nos teclados e vocais e Steve Morse na guitarra. Um time, no mínimo, de muito peso. Diferente da linha mais pesada do Adrenaline Mob (outra banda que Mike ajudou a formar após sua saída do Dream Theater e cujo álbum de estreia foi resenhado neste blog), o Flying Colors traz uma sonoridade mais leve e semelhante ao som progressivo do rock dos anos 70.

Reprodução da capa do álbum (© Radiant Records)

Quando surge um novo supergrupo, a expectativa gerada entre os fãs e os críticos é grande: é mais uma banda onde cada integrante demonstra suas habilidades indiscriminadamente sem um propósito claro, ou um conjunto no qual a “química” realmente aconteceu? Definitivamente, o Flying Colors se enquadra na segunda categoria.

Não que o álbum de estreia do grupo, autointitulado, trate-se de uma obra prima do rock contemporâneo, longe disso. Mas é provavelmente um dos trabalhos mais bem feitos dos integrantes que formam o grupo. Cada um deles parece estar tocando bem à vontade, como se a banda já existisse há anos e os membros fossem companheiros de longa data. No caso de Mike & Neal e Steve & Dave, isso não deixa de ser verdade, já que eles trabalharam juntos no Transatlantic e no Dixie Dregs, respectivamente.

Não cabe aqui fazer comparações com os projetos antigos ou paralelos dos membros da banda. O que é possível se afirmar com segurança é que cada músico está muito bem fazendo o que faz. Mike não está distribuindo pancadas arrepiantes em sua bateria como fazia no Dream Theater, mas a suavização que trouxe às suas linhas caíram como uma luva no grupo. Dave e Steve trouxeram riffs bem interessantes no baixo e na guitarra, que transportam o ouvinte automaticamente para algumas décadas atrás, quando o rock estava no seu auge. Neal completa a sonoridade com seus arranjos únicos, além dos vocais, feitos por ele e por Casey, um músico praticamente desconhecido se comparado aos outros quatro, mas nem por isso menos capaz. Se ele precisava de um momento para alavancar sua carreira, este momento chegou, e ele soube aproveitá-lo.

É difícil descrever o que o quinteto produziu com Flying Colors, mas basta dizer que é um trabalho impecável. Há espaço para músicas leves (“Blue Ocean”, “Better Than Walking Away”), pesadas (“Shoulda, Coulda, Woulda”, “All Falls Down”) e melódicas (“Kayla”, “Everything Changes”). Mas em nenhum momento o álbum parece perder a conexão que existe entre suas faixas, o que faz da sua sonoridade algo diverso, e, ao mesmo tempo, constante. Todos os elementos acabam convergindo em uma mistura na faixa épica “Infinite Fire”, de 12 minutos, que fecha a obra.

Nota = 8,5. Ótimo começo para uma banda nova, o que se deve, é claro, à vasta experiência de cada um dos músicos envolvidos, apesar de isto não ser garantia para um bom álbum. Se as agendas dos músicos assim os permitirem, o Flying Colors tem grandes chances de render uma banda “séria”, que produza mais álbuns e turnês, em vez de empacar no primeiro ou segundo disco, como acontece com muitos supergrupos.

O Flying Colors ainda não tem vídeos promocionais nem registros de performances ao vivo, mas você pode conferir algumas cenas das gravações do álbum com algumas faixas ao fundo: