Resenha: Alice – Alice Caymmi

Reprodução da capa do álbum (© Flecha de Prata Edições Musicais/Universal Music International)

Depois de dois álbuns marcados por MPB, pop e rock, a cantora carioca Alice Caymmi, mais uma talentosa descendente do grande Dorival, rende-se ao pop e ao eletrônico em seu segundo lançamento homônimo – embora apenas pelo primeiro nome. Em 90% dos casos, eu rechaçaria um artista por realizar tal mudança em seu som, mas para a sorte da resenhada, não estamos falando aqui de qualquer artista.

Este disco bem breve, com menos de meia hora de música, revela brilho próprio em faixa. A abertura “Spiritual”, como o nome sugere, traz um clima mais orgânico, uma roupagem acústica, que perdurará até a faixa seguinte, “A Estação”, na qual o piano segue o ritmo ditado por uma bateria eletrônica – é a ponte para a realidade pop desta obra.

“What’s My Name (Oduduá)”, que poderia ter sido a abertura devido a seu “quê” de cartão de visitas, abraça com mais força a nova fase, mas é em “Vin” que testemunhamos a consagração da nova era da cantora: temos aqui elementos de pop, música eletrônica, um leve aroma funk, uso de autotune e até scat singing que mais parece um exercício fonoaudiológico.

A primeira participação aparece em “Inimigos”, na pessoa do rapper Rincon Sapiência, que ajudou a deixar mais interessante este hip-hop eletrônico. E aí vem “Inocente”, o primeiro single, escrito em parceria com Ana Carolina, e uma boa escolha para carro-chefe do trabalho. Pode não ser uma das melhores, mas acaba sendo uma das que mais bem sintetiza a proposta musical de Alice.

A tríade que marca a reta final do álbum é também seu ponto alto. A música refinada reencontra seu espaço na melancólica balada pianística “Agora”, reminiscente de Rainha dos Raios, e na qual até o vozeirão de Alice ganha uma oportunidade para nos tocar com notas mais altas. Em “Sozinha”, a cantora chuta o balde mais uma vez e usa cordas em pizzicato para abrir mais um pop, que aqui servirá de veículo para uma letra auto-afirmativa. E nem a presença do intragável Pabllo Vittar consegue estragar a simpática “Eu Te Avisei”.

Se no primeiro disco Alice foi quase toda autoral e no segundo ela foi quase toda intérprete, neste ela mescla faixas 100% suas, coassinadas por terceiros ou totalmente alheias. Isso talvez contribuiu para a diversidade da música, ainda que apenas em nove peças.

E agora, a questão mais importante: por que não torcer o nariz para o novo direcionamento da cantora? Bem, em primeiro lugar… existe o conceito de “verdadeira Alice”? “Alice das antigas”? Não! Os trabalhos de estúdio que ela lançou (ainda são só três, é verdade) são bem diferentes uns dos outros. E quem já foi a um show dela sabe que mesmo entre um álbum e uma turnê as canções já sofrem grandes transformações.

Alice Caymmi é artista inquieta, que não parece gostar de zonas de conforto nem de fórmulas, o que nos dá segurança para afirmar que o quarto disco dificilmente será uma continuação deste. E mesmo que Alice seja recheado por muitos dos elementos que têm estragado a música brasileira, ele ainda ganha muitos pontos pela maneira profissional com que tudo foi conduzido e, principalmente, pela forte presença musical da própria artista.

Nota = 4/5.

Abaixo, o vídeo de “Inocente”:

Anúncios

Resenha: The Dark Element – The Dark Element

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

Quando foi anunciado que Jani Liimatainen (ex-Sonata Arctica, Cain’s Offering, Blackoustic) se juntaria a Anette Olzon (ex-Nightwish) num projeto, logo pareceu que tínhamos praticamente mais um supergrupo a caminho. E considerando o alto nível dos trabalhos recentes de ambos, coisa ruim não poderia sair disso.

Mas, por incrível que pareça, foi exatamente o que aconteceu nesta iniciativa batizada como The Dark Element. Sabe aquelas faixas comerciais que toda banda de power metal e/ou metal sinfônico enfia no meio dos álbuns para ganhar um vídeo e agradar suas gravadoras? Bom, o disco de estreia autointitulado deles é, basicamente, uma compilação disso. Reúne o que há de pior e mais fraco nos gêneros num trabalho essencialmente genérico.

Em alguns momentos, temos até tentativas constrangedoras (e fracassadas) de imitar o Nightwish, como em “My Sweet Mystery”, “Dead to Me” e “The Ghost and the Reaper”. Como se os profissionais envolvidos precisassem se sujeitar a isso. Cadê aquele vigor todo do Cain’s Offering, supergrupo que envolve justamente Jani, o baixista e o baterista deste projeto, Jonas Kuhlberg e Jani ‘Hurtsi’ Hurula? Ora, não foram eles (acrescidos das lendas vivas Timo Kotipelto e Jens Johansson) que em 2015 lançaram um dos melhores discos de power metal da década, Stormcrow (resenhado neste blog)?

Mas é claro que o álbum tem seus acertos – e ele é tão sofrível que aquilo para o que normalmente torcemos o nariz acaba salvando o dia aqui: as baladas “Someone You Used to Know”, “Heaven of Your Heart” e “Only One Who Knows Me”. Será coincidência que elas parecem material não aproveitado da estreia solo de Anette, o agradável Shine (resenhado neste blog)? “Dead to Me”, por sua vez, e apesar do que eu disse no parágrafo acima, é um dos poucos momentos em que o quarteto tenta realmente soar pesado, uma empreitada que termina bem para nossos ouvidos.

A maior parte da culpa da baixa qualidade do disco recai em Jani, afinal, ele fez tudo menos o vocal, o baixo e a bateria. Temos aqui um trabalho tímido na guitarra, que acaba muitas vezes soterrada sob arranjos pop nos teclados, talvez numa tentativa de fazer o projeto soar “moderno”.

Anette, por sua vez, faz o possível para elevar o nível das músicas e aproveita muito mais o seu potencial, entregando uma performance condizente com sua média. O mesmo vale para os outros dois discretos integrantes. Mas como a esperança é a última que morre, não custa torcer para que o projeto volte um dia com um disco melhor, o que no caso significa um disco que faça jus à capacidade do time responsável.

Nota = 2/5. Por mais que The Dark Element tenha seus bons momentos, é aquela velha história: deixemos a fanboyzisse de lado e reconheçamos quando músicos que admiramos não produzem algo a altura de suas capacidades.

Abaixo, o vídeo de “My Sweet Mystery”:

Resenha: One More Light – Linkin Park

Reprodução da capa do álbum (© Warner Bros.)

Hoje vamos falar de um disco que era muito aguardado por todos. Mas não por mera curiosidade: após a divulgação de algumas faixas decepcionantes, o direcionamento do Linkin Park começou a ser questionado. Infelizmente, nossos piores temores se confirmaram: One More Light, sétimo lançamento de estúdio do sexteto californiano, é puro pop – e dos ruins. Absolutamente nada de heavy metal e praticamente nada de rock.

Diferente do que muitos dizem, o Linkin Park nunca tinha deixado de ser bom. Hybrid Theory e Meteora são, realmente, os clássicos da banda, mas isso não desmerece os lançamentos posteriores. A incorporação do rap, do pop e do eletrônico no rock e no heavy metal não é essa blasfêmia toda que alguns chatos pintam – eu admito tranquilamente que me apaixonei pelo electronicore em 2013 e não o larguei desde então.

Outra coisa que preciso salientar: mudanças, mesmo radicais, podem dar certo, e sempre cito Dir en grey e Anathema com dois exemplos perfeitos disso. Nem quando essa mudança vai na direção do pop o resultado é necessariamente ruim. E agora cito Coldplay como exemplo. Aliás, perto deste disco, o Coldplay atual soa como hard rock.

Mas então, por que é um álbum tão ruim? Além do fato de simplesmente não soar como Linkin Park, o que temos é um trabalho de pop fácil, genérico e preguiçoso. Quase todas as canções constroem um clima de dar sono. Dez segundos de qualquer Summer Eletrohits da vida têm mais energia que os 35 minutos de One More Light.

Chega a ser risível os demais membros ainda constarem como integrantes da banda. O guitarrista Brad Delson pode falar o que quiser, mas, mesmo tendo ajudado a escrever várias das faixas, sua participação instrumental foi tão impactante quanto uma folha caindo no mar. Rob Bourdon e Dave Farrell, por suas vezes, se veem numa situação igualmente constrangedora: ou admitem que foram substituídos por uma bateria e um baixo programados por computador, ou admitem que esta é a participação mais pífia que já tiveram no grupo.

O malabarismo argumentativo dos fãniquitos para defender o indefensável merece um parágrafo à parte. A desonestidade intelectual é de causar inveja aos defensores do Lula e do golpe de 2016. Dizem que a banda foi ousada ao mudar, como se qualquer mudança por si só compensasse. Dizem que o disco não é ruim só porque é pop, como se sequer estivéssemos falando de um exemplo de bom pop.

E profiro esta última frase com extrema segurança, não só por não ser um tr00 666 from hell chato que só ouve o que tiver guitarras distorcidas, mas também porque, na mesma época em que resenho este lançamento, exploro a discografia da jovem cantora norueguesa AURORA e reforço minha impressão de que o pop de qualidade existe e vai muito bem, obrigado.

Por outro lado, não vou engrossar o coro de quem acredita que o sexteto simplesmente se vendeu. Será mesmo que a renda do grupo não era satisfatória a ponto de justificar essa guinada? Tampouco farei comparações estapafúrdias com Backstreet Boys, *NSYNC, Five ou Westlife – por respeito às boybands.

Se o Linkin Park está feliz trilhando este caminho, que sigam em frente. Mas lidem com as críticas, que já estão se acumulando, como podemos ver no Metacritic. O vocalista Chester Bennington já reclamou em mais de uma entrevista de fãs saudosos de um Hybrid Theory. Não, Chester, eu não espero um novo Hybrid Theory. Mas também não aceitarei passivamente música preguiçosa. Não fiz isso nem com minha banda favorita (Titãs, na época do intragável Sacos Plásticos), por que faria com o LP?

Nota = 0. Como fã, eu até procurei algo de bom aqui, mas não achei. A faixa título despertou meu interesse por sua bela letra (e a versão ao vivo em homenagem a Chris Cornell é de fazer suar pelos olhos), mas afunda no lamaçal que foi esse trabalho que faz o Sinfonia de Ideias, pela primeira vez em seus 6,5 anos ininterruptos de existência, atribuir uma nota zero.

Abaixo, o vídeo de “Good Goodbye”:

* Um rascunho desta resenha foi acidentalmente publicado em 24 de abril, motivo pelo qual alguns assinantes do blog receberam uma versão incompleta do texto na data supracitada. O Sinfonia de Ideias pede desculpas pelo inconveniente.