Resenha: Songs the Night Sings – The Dark Element

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

Quando o The Dark Element (supergrupo formado pelo guitarrista Jani Liimatainen (ex-Sonata Arctica, Cain’s Offering, Blackoustic) e a cantora Anette Olzon (ex-Nightwish) anunciou seu segundo disco, metade de mim pensou: “minha nossa, o primeiro lançamento não foi ruim o suficiente para eles perceberem que a parceria não funciona?”. A outra metade foi mais para o lado do “que bom, eles terão mais uma oportunidade de mostrar se são dignos de nossos ouvidos”.

Felizmente, meu lado mais fanboy e otimista levou a melhor desta vez. Porque a dupla aproveitou a chance. Songs the Night Sings não pode nem sonhar em entrar no meu top 10 de final de ano, mas sem dúvidas é uma grande evolução com relação à estreia autointitulada deles (clique aqui para conferir minha resenha a respeito).

O álbum ainda soa irritantemente comercial, mas desta vez o grupo faz disso uma característica de seu som, e não uma tentativa de agradar o titio mercado. As primeiras faixas já nos trazem riffs e solos de mais atitude (importantes para um supergrupo formado por um guitarrista de renome) e orquestrações mais respeitosas.

Mesmo as músicas que desaceleram, como “When It All Comes Down” e “To Whatever End”, fazem-no sem perder o peso e a atitude, mantendo uma firmeza razoável do começo ao fim. Não temos lá uma incursão profunda por novos territórios musicais conforme prometido no material de divulgação do trabalho, mas com certeza houve uma busca por algo mais distante da zona de conforto.

Jani, que ficou devendo (e muito) no disco anterior, ressurge ainda bem aquém de suas capacidades – aparentemente ele reserva sua própria nata para o Cain’s Offering – mas com uma performance mais respeitável, de qualquer forma.

Anette, por sua vez, manteve o bom nível ouvido na estreia. Desta vez, ela não teve de levar tudo nas costas e o projeto está funcionando mais efetivamente como uma parceria de duas pessoas, isto é, ambas as partes estão se entregando bastante – mas ainda sem darem o melhor de si.

Vale lembrar que o The Dark Element segue apoiado por uma dupla. O baixista Jonas Kuhlberg repete seu papel, enquanto que Rolf Pilve (Stratovarius) faz em Songs the Night Sings sua estreia nas baquetas.

Nota = 4/5.

Abaixo, o clipe de “Not Your Monster”:

Resenha: Signs of Wings – Sascha Paeth’s Masters of Ceremony

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

Depois de três décadas ajudando a moldar alguns dos discos mais importantes do power metal e do metal sinfônico, Sascha Paeth, produtor e guitarrista alemão que assina álbuns de artistas como Avantasia, Edguy, Rhapsody of Fire, Kamelot, Angra e muitos outros decidiu que era hora de finalmente canalizar seus esforços em direção a um projeto totalmente seu: o Masters of Ceremony.

Apesar de se tratar de uma iniciativa solo, o músico não conseguiu abandonar totalmente sua condição de profissional de bastidores. Quero dizer, temos aqui um som com grande foco nas guitarras, mas ele “se armou” de uma competente banda de apoio na qual todos os membros têm lugar de destaque.

A começar pela vocalista estadunidense Adrienne Cowan, do Seven Spires. Sua voz com lampejos de Kimberly Goss do Sinergy, Brittney Hayes do Unleash the Archers e Daísa Munhoz do Vandroya faz bonito frente ao peso que Signs of Wings, estreia do quinteto, oferece.

Na ala instrumental, temos Felix Bohnke (Edguy, Avantasia) na bateria, André Neygenfind (músico de apoio com passagens pelo Avantasia e pelo Rhapsody of Fire) no baixo e Corvin Bahn nos teclados.

Signs of Wings, é, em geral, uma homenagem ao gênero, e nem poderia ser diferente, afinal, estamos falando de uma figura importantíssima dos bastidores do power metal.

De faixas aceleradas e com refrãos marcantes (“The Time Has Come”, “Where Would It Be” e “Weight of the World”) a baladas lentas (“Path”), passando por lampejos de folk metal (“Radar”, “Bound in Vertigo”), Sascha abrange as facetas mais relevantes desta que é uma das sub-vertentes mais populares do metal.

O disco não surpreende nem inova em momento algum, mas faz o feijão com arroz de modo tão profissional e empolgante que não dá para não gostar do trabalho. Na verdade, ele faz esse feijão com arroz mais competentemente que alguns expoentes pioneiras do gênero. Sonata Arctica e Edguy que o digam.

Nota = 5/5.

Abaixo, o clipe de “The Time Has Come”:

Resenha: Metal Galaxy – Babymetal

Reprodução da capa do álbum (© Babymetal)

Já absolutamente estabelecidas comercialmente e não mais podendo surfar na onda do ineditismo, a dupla de kawaii metal Babymetal marca o ano de 2019 com seu terceiro lançamento, Metal Galaxy.

A ideia do título (“Galáxia do Metal”, em tradução livre) é que as meninas estão embarcando em uma jornada pela galáxia do gênero, explorando suas diversas possibilidades.

É algo na linha do que já fizeram no lançamento anterior, Metal Resistance (clique aqui para ver minha resenha a respeito), mas desta vez explorando novas possibilidades, de forma a manter os fãs entretidos e surpreendidos – afinal, kawaii metal só choca quem esteve em coma nos últimos cinco ou seis anos.

As três primeiras faixas (“Future Metal”, “Da Da Dance”, “Elevator Girl”) passam sem impressionar nem surpreender, exceto pelo fato de que adotam uma roupagem eletrônica mais intensa que o disco anterior e mais próxima da estreia autointitulada delas (clique aqui para ver minha resenha a respeito).

A segunda, inclusive, foi muito antecipada por mim por conter uma participação do maior guitarrista vivo japonês (Tak Matsumoto, do B’z), mas sua presença passou praticamente despercebida (até porque, heavy metal nunca foi seu habitat natural).

Mas logo depois, chegam nossas primeiras (e gratíssimas) surpresas. A começar pela imprevisível incursão delas pela música indiana, “Shanti Shanti Shanti”. Sério, qual a chance de um grupo de heavy metal encabeçado por cantoras pop japonesas criar uma canção influenciada por instrumentalização indiana? Ah, como eu amo música…

Em seguida, uma espécie de evolução de “Meta Taro”, do Metal Resistence, que trazia fortes influências de Korpiklaani e metal pirata. “Oh! Majinai” é mais do que uma faixa influenciada pelos finlandeses. É praticamente um cover deles, mas sem uma música específica como “alvo”. E de quebra, temos ainda a participação de Joakim Brodén, dos também escandinavos Sabaton, provendo um necessário contraponto masculino e rasgado às vozes das meninas. Esta sim é uma participação que faz sentido.

“Brand New Day”, além de retomar o lado eletrônico delas, tem mais uma participação “estranha”. Aliás, duas. Tim Henson e Scott LePage, guitarristas do quarteto estadunidense de rock progressivo instrumental Polyphia, vêm deixar alguns sons aleatórios que não parecem impossíveis de serem feitos por outros guitarristas quaisquer.

“↑↓←→BBAB” (seja lá como se lê esse diabo desse título que parece baseado no famoso “código Konami”, uma sequência de comandos que destravam truques em vários jogos da marca japonesa) adota sons eletrônicos novamente, mas desta vez especificamente sons de 8-bit, no melhor estilo DragonForce. Ela é uma das faixas exclusivas da edição japonesa, que veio dividida em dois CDs.

Foi prometido que “Night Night Burn!” teria elementos de música latina. Acabaram sendo temperos bem discretos, porque o máximo que se ouve é uma percussão mais regional aqui e ali e um ou outro fraseado diferente nas guitarras. Mas valeu pela tentativa de explorar novos terrenos.

O disco dois já começa de forma bem mais empolgante, com um instrumental mais maduro e somente vocais de fundo ou guturais, sem grande participação das meninas. Elas voltam em “Distortion”, primeiro single a ser divulgado, juntamente à lendária Alissa White-Gluz (Arch Enemy), que deixa mais uma participação discreta na versão do álbum.

A participação especial mais assertiva de todas vem logo depois, quando o rapper (sim, rapper) tailandês F.Hero deixa uma contribuição na divertida “Pa Pa Ya!!”. Como pode um rapper ter a participação mais marcante numa obra de metal com vários nomes importantes do gênero?

Este segundo disco também tem mais uma faixa exclusiva japonesa, também inchada ao máximo com modismos eletrônicos: “BxMxC” (seja lá como se lê esse diabo desse título) [2].

Após a ótima “Kagerou”, entramos numa espécie de thread e o álbum se encerra com uma trilogia de peças interligadas por leves sons sombrios: “Starlight”, ótima e dona de um dos riffs mais empolgantes; “Shine”, que infelizmente não preencheu seus quase seis minutos com algo que justificasse este comprimento todo; e “Arkadia”, tão descaradamente influenciada por DragonForce que eu procurei os nomes Herman Li e Sam Totman no encarte.

Ah, é bom lembrar que este é o primeiro trabalho das Babymetal sem Yuimetal, dançarina e vocalista de apoio que deixou o então trio um ano atrás. Honestamente, em nenhum dos quase 60 minutos de música oferecidos aqui sente-se a falta da dita-cuja.

Metal Galaxy tem como mérito manter a essência do som das meninas (até mais que o Metal Resistance) ao mesmo tempo em que segue na exploração de novos terrenos, sendo talvez um dos ícones recentes do fato de que a música não conhece limites.

Nota = 5/5

Abaixo, o clipe de “Pa Pa Ya!!”: