Resenha: Architecture of a God – Labyrinth

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

Os sete anos que separam o ótimo Return to Heaven Denied Part II: “A Midnight Autumn’s Dream” deste que é o oitavo lançamento do sexteto italiano de power metal Labyrinth foram marcados por inatividades e incertezas. Chegaram a anunciar o rodado cantor Mark Boals como vocalista, após Roberto Tiranti sair para se dedicar a projetos solo e dizer que nunca trabalharia com power metal em outro grupo.

Depois de uma dança das cadeiras que envolveu a saída de três membros (o tecladista Andrea De Paoli, o baterista Alessandro Bissa e o baixista Sergio Pagnacco) e com um empurrãozinho da gravadora Frontiers, que sugeriu por telefone uma reunião dos membros da formação clássica para a gravação de um novo trabalho, a banda finalmente anunciou seu retorno definitivo com uma formação que, além dos guitarristas fundadores Andrea Cantarelli e Olaf Thorsen e do próprio Roberto, inclui os novos membros Nik Mazzucconi (baixo), o ex-Vision Divine Oleg Smirnoff (teclados) e o notório John Macaluso (bateria).

Todos sabem que iniciativas resultantes da insistência de uma gravadora podem dar muito errado, e nem preciso fugir do power metal para dar um exemplo recente: a horrível regravação de 2014 que o Sonata Arctica fez do seu bom álbum de estreia Ecliptica a convite de uma gravadora japonesa. Porém, no fim das contas, o que temos aqui é um case de sucesso.

A tríade de abertura deixa isso claro. “Bullets” (que recebeu um vídeo) e “Still Alive” resumem bem a nova proposta musical do grupo, e temos na excelente “Take on My Legacy” o ponto alto do disco. O sexteto perde um pouco o gás em “A New Dream”, que ressuscita alguns elementos típicos do Labyrinth, e na razoável “Someone Says”, que também ganhou um clipe.

O breve e misterioso interlúdio “Random Logic” faz a ponte para a faixa título, a mais longa do álbum e também da discografia dos italianos. Embora não seja a melhor, é um dos pontos altos e tem todo aquele dinamismo que exige uma faixa com duração além do convencional.

“Chldren” se trata de um cover de um grande hit eletrônico italiano dos anos 1990, originalmente lançado por Robert Miles. Embora soe estranha logo de cara, qualquer um acaba se rendendo à simpatia da regravação. “Those Days” é o mais próximo que temos de uma balada e cria o momento menos empolgante do disco com a insossa “We Belong to Yesterday”. Mas pra não dizer que fechou mal, Architecture of a God nos dá a ótima “Stardust and Ashes”, na mesma vibe de “Take on My Legacy”.

A faixa de encerramento, “Diamond”, é um tanto difícil de compreender. Com um instrumental exclusivamente eletrônico, parece uma espécie de cartão de visitas para Oleg. Ficaria melhor como faixa bônus, uma vez que não tem absolutamente nada a ver com o Labyrinth e dialoga muito pouco com este álbum.

E falando em Oleg, cabe aqui um elogio à nova metade da banda. Sem descambar para o electronicore, o ex-Vision Divine enfeitou o Labyrinth com toques eletrônicos que não soam como peixes fora d’água. Nik foge do óbvio em muitos momentos, às vezes incorporando o Toshiya do Dir en grey, e só isso já o põe bem acima da média dos baixistas de power metal, que normalmente só acompanham a guitarra. O mesmo faz John Macaluso, o que não é de se surpreender, pois tem um vasto currículo nas costas

Nota = 4/5. Longe da perfeição, mas bastante empolgante, Architecture of a God inaugura uma nova era para o Labyrinth que, torçamos, renderá mais álbuns. A junção do “núcleo duro” da banda com três novos e talentosos membros mostrou-se mais que uma mera jogada de marketing da Frontiers e recolocará os rapazes no mapa europeu do power metal.

Abaixo, o vídeo de “Bullets”:

Anúncios

Uma resposta para “Resenha: Architecture of a God – Labyrinth

  1. Pingback: Resenha: Beyond the Human Mind – Vandroya | Sinfonia de Ideias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s