Resenha: Human Nature – Hardline

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

Reprodução da capa do álbum (© Frontiers Records)

O quinteto de hard rock Hardline divulgou seu quinto trabalho de estúdio, Human Nature, com uma promessa: entregar “uma versão mais pesada e atualizada do som original do Hardline. Pense no álbum de estreia, o Double Eclipse de 1992, atualizado para o século XXI, com um som mais arenoso e direto”.

O que eles nos dão? A fusão mais honesta que poderiam fazer de seu som antigo com o novo. Não é nem de longe um disco tão pesado quanto a estreia deles, mas é o que mais fez jus àquela época desde então. Ao mesmo tempo, ele não tem aquele quê de AOR (Album-Oriented Rock) que mudou completamente a banda (para pior, se compararmos com o glam metal estupendo que eles mostraram no início da década retrasada, ainda que o tenham feito no início do declínio do gênero).

Human Nature estabelece a tal fusão de duas formas: ora entregando faixas que, por si só, parecem misturas das duas fases; ora entregando faixas contrastantes. Por exemplo, a sequência “Trapped in Muddy Waters”, “Running on Empty” e “The World is Falling Down” é o momento mais matador do álbum. Se você se distrair, pode até achar que está ouvindo alguma coisa do Axel Rudi Pell – guitarrista alemão cuja banda de apoio conta com o vocalista Johnny Gioeli na formação.

Contudo, a tríade desemboca no single “Take You Home”, uma baladinha pianística clichê – infelizmente, uma das duas faixas do álbum a receber um vídeo, mesmo que ela não represente o disco de forma alguma. O single, por sua vez, é sucedido por “Where the North Wind Blows”, uma das faixas “meio a meio”.

Enfim, a sensação que se tem ao concluir uma audição deste lançamento é: O Hardline está de volta! Não tão pesado quanto era, pois é preciso atualizar o som e relembrar o passado recente. Mas estão satisfatoriamente firmes e fortes. Definitivamente o melhor trabalho deles desde a estreia.

Nota = 5/5. Podemos dizer que quase tudo deu certo em Human Nature. As duas fases da banda estão representadas. Houve uma ênfase maior na fase boa, isto é, na fase pesada e antiga. Há uma química franca entre os membros, de modo que toda faixa vê o Hardline “fluindo como óleo”, como diria Mozart. Um discão. Só mudaria a escolha da faixa para segundo single.

Abaixo, o clipe de “Where Will We Go from Here”:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s