Resenha: Breakin’ Outta Hell – Airbourne

Reprodução da capa do álbum (© Spinefarm Records)

Reprodução da capa do álbum (© Spinefarm Records)

Um dos nomes mais agradáveis do hard rock atual, o Airbourne no futuro diminuirá um pouco a dor que o iminente fim do AC/DC causará na comunidade rock ‘n’ roll. Enquanto isso, continuam lançando bons álbuns que darão motivos para os fãs do rock direto, clássico e cru sorrirem.

Breakin’ Outta Hell é um deles. O quarto, para ser mais preciso. Comentar todas as faixas dele ou querer explorá-lo em todos os seus detalhes seria chover no molhado. Encheção de linguiça pura. Eu poderia ficar tecendo observações sobre faixas típicas como “Get Back Up”, “It’s Never Too Loud for Me”, “I’m Going to Hell for This”, a faixa título e a bônus da edição de luxo “Bombshell”. Todas recheadas com os clichês do quarteto australiano, inclusive os refrãos cantados pelo vocalista/guitarrista solo Joel O’Keeffe e ecoados pelos vocalistas de apoio David Roads e Justin Street (guitarrista base e baixista, respectivamente. Completa a formação o baterista e irmão de Joel, Ryan).

Mas eu prefiro falar da forte “Rivalry”, que virou single e ganhou vídeo, graças a Dio. Ou das rápidas “Thin the Blood” e “When I Drink I Go Crazy” (esta última tem uma linha baixo notoriamente audível, lembrando o trabalho de Adam Clayton em “Vertigo”, do U2). Ou então a marchante “Down on You”. São os pontos altos do disco. As faixas que você escutará e perceberá que estão acima da média do grupo.

Não há surpresas no álbum, mas a banda parece continuar com um processo de “emancipação” do AC/DC, nome lendário o qual eles eram (e ainda são) acusados de tentar copiar. Tal processo se iniciou no trabalho anterior, Black Dog Barking (resenhado neste blog), e continua aqui, de forma bem sutil.

Nota = 4/5. Não há muito mais o que dizer sobre Breakin’ Outta Hell. Se você aprovou a discografia dos rapazes até aqui, vai tirar proveito deste disco. Se você ainda não os conhece, mas gosta desse tipo de rock, mergulhe sem medo. Se já os conhece e mesmo assim não gosta, este lançamento em nada mudará sua percepção sobre os cabeludos. Simples assim.

Abaixo, o single “Rivalry”:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s