Resenha: Affinity – Haken

Breve histórico: Haken é um sexteto britânico de metal progressivo fundado em 2007, conhecido pelos vocais melódicos e pelo instrumental versátil. A banda já deixou de ser apenas uma promessa e pode ser considerada um dos maiores destaques do gênero hoje.

Reprodução da capa do álbum (© Inside Out Music)

Reprodução da capa do álbum (© Inside Out Music)

Após lançarem seu aclamado terceiro álbum The Mountain (resenhado neste blog) e saírem em turnês ao lado de outros grupos progressivos, o Haken entrou em estúdio com a difícil missão de criar um trabalho tão bom quanto o anterior. A divulgação do sucessor, intitulado Affinity, foi inusitada e envolveu um site que imitava um computador dos anos 1980 e simulava um programa sendo rodado. O site da banda, inclusive, adota neste momento um layout que mimetiza essa interface.

Essa vibe eletrônica dita a atmosfera do álbum, que trata de temas mais científicos e diretos do que as letras introspectivas do lançamento anterior, o que combinou com o som menos orgânico e mais artificial. São letras sobre a relação de seres humanos com máquinas e sobre a inteligência artificial, por exemplo.

A breve introdução eletrônica “affinity.exe” só confirma o que eu disse acima. Sua sequência, “Initiate”, tem aquela cara mais recente do Haken, meio pop. Mas se você é muito conservador, espere até os 2:30, quando uma sequência de riffs matadores chega com tudo. Vem então “1985”, uma das melhores, com teclados de uma cristalina influência de Jordan Rudess, do Dream Theater, com quem o tecladista Diego Tejeida andou brincando em turnês recentes. Na quarta faixa, “Lapse”, ele arrisca até alguns solos bem técnicos, incomuns para ele.

A épica “The Architect” impressiona menos que outras épicas do sexteto e demora mais para agradar, mas logo se mostra mais um destaque do álbum. Sua introdução de três minutos resgata vários aspectos de álbuns anteriores, como a fritação de “Pareidolia” e a orquestração de “Celestial Elixir” (respectivamente, dos álbuns The Mountain e Aquarius). A faixa conta ainda com a participação de Einar Solberg, vocalista e tecladista do ótimo grupo norueguês Leprous, que aparece para mandar uns guturais.

“Earthrise” é mais ou menos o que aconteceria se os compatriotas do Codlplay rumassem para o metal progressivo (que eles nunca tentem isso, pelamor).”Red Giant”, por sua vez, leva a calmaria a outro nível, resultando numa faixa pouco empolgante e que apenas complementa o conceito do disco.

“The Endless Knot”, que ganhou um lyric video, é a consumação da proposta mais eletrônica do álbum, com um ótimo breakdown meio dubstep seguido de mais competentes solos de guitarra. Talvez o vídeo tenha sido criado por conta disso, porque a faixa é uma opção de cartão de visitas para Affinity.

Encerrando a jornada, temos “Bound By Gravity”, tão serena quanto “Red Giant” mas duas vezes mais longa e com um trabalho vocal que lembra Maroon 5. Parece até que estou pedindo para você pular a faixa, mas não, estou apenas descrevendo-a como é. Ela encerra tudo de maneira leve, aliviante, mas sem a chatice de “Red Giant”.

Os dois últimos álbuns do Haken trazem propostas musicais opostas: primeiro, um disco de sons mais orgânicos, depois, um disco de sons eletrônicos. E para manejar esta roupagem, um membro foi fundamental: Diego Tejeida. Ele aparece em destaque ao longo de quase todo o álbum e foi absolutamente determinante para o direcionamento da banda aqui. Ele cita os anos 1980 como influência, pois a década foi marcada pelo abuso de teclados, o que levou alguns a torcerem o nariz. A ideia do mexicano-inglês era justamente subverter essa lógica de que sintetizadores demais estragam a música.

Não posso encerrar a resenha sem falar de outro cara: o baixista e Connor Green, que faz aqui sua estreia na banda (sem contar o EP Restoration). O vocalista Ross Jennings definiu o colega assim em entrevista ao The Prog Mind: “Tom (baixista anterior) era um guitarrista preso num corpo de um baixista, enquanto que Connor vive e respira o baixo”. É uma descrição de impacto, mas a verdade é que sua participação ainda é tímida e burocrática demais para ousar comparações.

Nota = 9. É interessante comparar Affinity com The Mountain musicalmente, mas tentar colocá-los em disputa é bobagem. São como aqueles lançamentos quase simultâneos e propositalmente diferentes, como Flight of the Migrator e The Dream Sequencer do Ayreon: um complementa o outro. Os dois, juntos, mostram o quanto a banda cresceu depois de Aquarius e Visions – que já são ótimos.

Abaixo, o vídeo de “Initiate”:

Anúncios

Uma resposta para “Resenha: Affinity – Haken

  1. Pingback: Resenha: The Unforgiving Road – Withem | Sinfonia de Ideias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s