Resenha: Homônimo – Somba

Breve histórico: Mais um fruto da cozinha musical que é o estado de Minas Gerais, a banda Somba nasceu ao final dos anos 1990 com uma proposta que, até o momento, vem sendo bem aplicada: criar um som sem rótulos.

Reprodução da capa do álbum

Reprodução da capa do álbum

Dando continuidade a uma discografia de riqueza musical indiscutível, o Somba marcou o ano da Copa com seu terceiro disco Homônimo – afinal, por que autointitular um álbum quando você pode chamá-lo assim? Esta é apenas a primeira de uma série de tiradas que mantêm um padrão humorístico estabelecido desde o início. No campo instrumental, só resta aplaudir como o grupo continua transitando sem medo entre os mais diversos gêneros, com uma liberdade muito “alicecaymmiana”.

A abertura “Kem Soul”, com seu trocadilho anglolusófono, comprova a influência dos Beatles na música mineira, juntamente a “Real One”. O rock da terra da rainha também parece ter influenciado “The Ox”, com seu ritmo meio Pink Floyd; e “Light Your Fire”, uma mistura de Led Zeppelin com os estadunidenses do The Doors. Já “Carne Fraca” pega emprestado lances de rock nacional, e poderia facilmente ser item da discografia do 5PRAStANtAS.

“Vem Pro Meu Lado Negro, Nega!”, uma das melhores do trabalho, poderia facilmente ser parte da fictícia rádio de world music WorldWide FM, do jogo Grand Theft Auto V. Ela conquista de imediato com seu riff de metais sampleando a Marcha Imperial de Guerra nas Estrelas – o próprio título já dá a dica da referência.

“Rocambole” incorpora mais um gênero a esta cozinha: jazz, com toques de MPB. Dão tempero indispensável à faixa as vocalistas convidadas do Caffeine Trio. “Musichat” reforça a sagacidade do grupo com uma letra escrita em “internetês”, mesmo que isso não fique claro para quem só escuta – daí a importância de se apreciar o encarte.

O lado zoeira da banda chega ao apogeu em “4:20”. Sim, a faixa tem esse título. Sim, ela dura exatos quatro minutos e vinte segundos. Sim, ela consiste unicamente no som de algo queimando. Não, eu não preciso falar mais nada.

Homônimo se encerra com o punk rock cru e satírico de “Eu Queria Fazer Uma Música pra Vender, mas, PQP! Eu Não Consigo”. Completam a lista de faixas do álbum as leves “Trânsito” e “Correria” e a lenta balada “By Heart and Soul”.

O Somba é um grupo que nunca se levou muito a sério, o que não quer dizer que não trabalham com profissionalismo. É uma riqueza musical que, por sua diversidade, pode coletar fãs das mais diversas tribos, e isso faz deles um medalhão valioso na música mineira atual.

Nota = 9,0. Arrisco dizer que Homônimo merecia até ter ganho uma indicação ao Grammy Latino. Trata-se de um conjunto com um grande leque de influências, música dosada com humor leve e saudável e, é claro, a indispensável brasilidade. Quer mais alguma coisa?

Abaixo, uma performance ao vivo de “Kem Soul”:

* Atualização em 10 de maio de 2016: o CD Homônimo foi enviado ao autor do blog via correio pela assessoria de imprensa da banda e a resenha foi escrita por sugestão da mesma.

Anúncios

Uma resposta para “Resenha: Homônimo – Somba

  1. Pingback: Sinfonia de Ideias - Homônimo IslandPress

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s