Resenha: Nando Reis combinou seu lado romântico com o roqueiro em “Sei”

Breve histórico: Nando Reis é geralmente apontado na mídia musical como um “ex-titã”, mas, com a carreira que construiu longe da banda paulistana, ele já não precisa mais se apoiar no sucesso do grupo que ajudou a fundar mas deixou em 2002. Virou um nome independente na música nacional, dono de um espaço que já começou a ser conquistado antes mesmo da saída dos Titãs, que foi precedida pelo lançamento de três álbuns.

Reprodução da capa do álbum

Acompanhado pela banda Os Infernais, Nando Reis lança em 2012 seu sétimo disco de estúdio, Sei. Um nome curto e grosso, condizente com a sonoridade de algumas faixas do álbum, que estão mais cruas e diretas do que em lançamentos anteriores. A pegada está nitidamente mais rock ‘n’ roll. Só que essa pegada tem outro nome além de Nando Reis: Jack Endino. Isso mesmo. O renomado produtor em cujo currículo constam nomes como Soundgarden, Nirvana e os próprios Titãs recebeu em Seattle o cantor e compositor paulista para a gravação do álbum.

Há outro detalhe que não pode ficar de fora da resenha: o álbum é independente, e Nando tirou proveito de sua autonomia de forma ousada: disponibilizou Sei na íntegra em seu site oficial e ainda pediu para os próprios fãs determinarem um preço para a obra. O valor final será calculado com base no julgamento dos internautas.

Por meio da Rádio UOL, Nando lançou sete das quinze faixas que compõem o álbum, sendo uma por dia. A primeira foi “Sei”, faixa-título que assumiu o papel de single do disco. Era uma escolha óbvia, por ser uma das típicas baladinhas românticas do cantor, apesar de que “Coração Vago”, a penúltima a ser divulgada, e várias outras faixas também não soam muito diferente. Em “Pré-Sal”, a segunda a ser liberada, o rock fica mais evidente, e a letra, sem refrão, mais complexa e misteriosa. “Back in Vânia” (praticamente uma regravação de “Back in Bahia”, de Gilberto Gil) traz temperos de blues e várias referências a locais do estado de São Paulo e do mundo, inclusive Ubatuba, cidade litorânea onde Nando gravou seu disco Luau MTV em 2007.

O romantismo volta em “Pra Quem Não Vem”, mas desta vez acompanhado de uma instrumentalização bem mais poderosa e trabalhada. Em “Eu & a Bispa”, há uma crítica quase explícita à Igreja Universal, evidenciada pela ênfase na palavra “universal” na segunda estrofe. Também pode ser uma crítica à gravadora Universal, que não quis renovar o contrato com o cantor antes de ele optar pela independência. A letra traz um momento repentino de sujeira no verso “Nem a punheta fode pelo pau que não fode a buceta”, o lado “na lata” de Nando Reis, que já fora trabalhado em canções antigas como “Isso Para Mim é Perfume”, do disco titânico Tudo ao Mesmo Tempo Agora. A última música a ser divulgada, “Lamento Realengo”, traz um momento raro e brando de negatividade ao trabalho (a começar pelo título), mas é dotada de um trabalho instrumental que não nos deixa esquecer das propriedades roqueiras do disco. Aqui, a banda conseguiu combinar com sabedoria o blues e o reggae, dois estilos que aparentemente resultariam em uma mistura heterogênea.

Se as faixas lançadas na UOL tinham como objetivo abrir o apetite musical dos fãs, elas conseguiram. Para matar a fome auditiva, as outras oito faixas estão aí, e podem ser divididas em dois grupos: O primeiro é o das baladinhas, formado por “PERSxPECTIVA”, “Luz Antiga”, “O Que Eu Só Vejo em Você” e “Declaração de Amor”, embora esta última seja bem menos melosa que suas colegas, talvez devido à emoção trazida pela sua pegada mais forte ao final. O outro grupo, formado por “Ternura & Afeto”, “Praça da Árvore” e “Sem Arrefecer”, traz letras mais complexas, profundas e trabalhadas. “Zer∅ Muit∅”, composta originalmente para o disco Não Tente Compreender, da cantora Mart’nália, tem alguns paralelos do amor com a matemática (“o amor não tem razão, sua raiz é uma nação sem ser lugar”), e faz ainda algumas possíveis referências à bissexualidade do cantor (“você não curte o que eu curto, o mesmo sexo, outro prazer”).

A presença de Jack Endino se faz evidente em alguns momentos e imperceptível em outras, o que é mais um ponto positivo para Sei, um trabalho nitidamente marcado por seu produtor, mas sem sombra de dúvidas fruto do trabalho de seu autor.

Nota = 8,5. Num disco que agradará a todos (românticos e roqueiros), Nando Reis deixou clara sua maturidade musical e os benefícios que um nome como Jack Endino podem trazer para o trabalho de um artista. Assim como Zé Ramalho, que lançou há pouco tempo seu mais recente álbum (resenhado neste blog), Nando mostrou também que tornar-se independente pode trazer certa liberdade ao músico, permitindo a ele lançar mão de recursos impensáveis dentro de uma gravadora, como pedir que os fãs determinem o preço do disco. Um bom lançamento de um músico bom.

Abaixo, uma versão da faixa “Ternura & Afeto” tocada no estúdio pela banda:

Anúncios

2 Respostas para “Resenha: Nando Reis combinou seu lado romântico com o roqueiro em “Sei”

  1. Pingback: Resenha: Jardim-Pomar – Nando Reis | Sinfonia de Ideias

  2. Pingback: Resenha: Unbeatable – Cartoon | Sinfonia de Ideias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s