Resenha: van Canto traz novidades em “Break the Silence”. Só faltou um pouquinho de sal.

Breve histórico: van Canto é uma banda alemã relativamente nova (foram fundados em 2006), mas que já lançou três álbuns além deste. A peculiaridade do grupo é não conter nenhum instrumentista na formação além do baterista: os outros cinco membros são vocalistas. Dois deles (um masculino e outro feminino) cantam as letras, enquanto outros dois fazem as guitarras (base e solo) e o quinto faz o baixo (sendo este brasileiro).

Reprodução da capa do álbum (© Napalm Records)

Após o excelente Tribe of Force, van Canto volta com Break the Silence, um álbum cheio de novidades. Essas novidades conseguiram tornar o álbum algo um tanto diferente no catálogo da banda (mas não necessariamente melhor que os outros discos). Claro que para uma banda nova e inovadora, qualquer música é novidade, mas há alguns elementos dignos de nota.

E quais seriam eles? Em “Spelled in Waters”, por exemplo, há o uso do violão, tocado por Marcus Siepen, do grupo conterrâneo de power metal Blind Guardian. “Neuer Wind” é a primeira da banda a ser cantada em alemão, língua nativa de todos os membros exceto o “baixista”. A bela “Master of the Wind”, cover do Manowar, tem o piano como instrumento base, deixando os outros vocalistas em segundo plano, com exceção de Inga Scharf, que canta a letra inteira praticamente sozinha. A bônus “Betrayed” tem até um trecho orquestrado para acompanhar os músicos. A faixa final, “A Storm to Come”, tem mais de 9 minutos, sendo a mais longa do grupo até hoje e uma das melhores do álbum.

Como tem sido feito nos álbuns do grupo, não houve apenas uma participação especial: Joakim Brodén, do Sabaton, também participa em uma faixa, um cover de sua própria banda: “Primo Victoria”. Como em outros álbuns, há vários covers além do mencionado acima: “Bed of Nails”, do Alice Cooper; “Master of the Wind”, do Manowar; e “Bad to the Bone”, do Running Wild.

Nota=7,0. Break the Silence repete a fórmula que o van Canto tem usado nos seus últimos discos, com mais alguns elementos novos. Talvez menos de dois anos foi um período muito curto para lançar outro álbum, pois faltou um pouco de sal neste. Destaque para “The Seller of Souls” (que já ganhou um vídeo), “Neuer Wind”, “Master of the Wind”, “Betrayed” e “A Storm to Come”.

Abaixo, o vídeo de “The Seller of Souls”:

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s