A novela “Dream Theater e o baterista”: muitas “images” para poucas “words”

Como alguns fãs de música sabem, o Dream Theater, banda estadunidense de metal progressivo, lançou recentemente uma série de vídeos onde mostra os bastidores do processo de escolha do novo baterista da banda, que entrou após a saída de Mike Portnoy. A trilogia mostra a performance de cada um dos sete bateristas selecionados para disputarem as basquetas de uma das maiores bandas da atualidade. Mas o espetáculo promovido pelo grupo não condisse com a sua maturidade musical.

Em 8 de setembro de 2010, o baterista Mike Portnoy anunciou sua saída da banda que ajudou a fundar nos anos 80. O anúncio veio em meio a um bom período para o grupo, que havia acabado de fazer uma turnê para a divulgação de seu último álbum, Black Clouds & Silver Linings, e outra com a companhia de ninguém mais ninguém menos que o legendário grupo Iron Maiden.

Desde então, houve muita especulação sobre qual seria o próximo baterista, sobre o futuro da banda e sobre o futuro do próprio membro dissidente. Mike continuou tocando com o Avenged Sevenfold, como já vinha fazendo há alguns meses após a morte do baterista deles, The Rev, mas a relação com o grupo não durou mais do que alguns meses. Hoje, Mike trabalha em dois projetos ainda não muito detalhados.

E quanto ao Dream Theater, maior representante da vertente do metal que une as melodias e a complexidade do rock progressivo com o peso e a agressividade do heavy metal, restou a oportunidade para promover um verdadeiro reality show, como se uma banda desse naipe precisasse. Basta assistir a um dos três vídeos do documentário sobre o novo baterista para ver como os músicos do grupo estão em um nível de técnica e musicalidade que os deixa acima da necessidade de promoção. Eles já venderam milhões. Mesmo a alta habilidade dos músicos não justificava tamanha produção. Lugar de músico se mostrar é no palco.

Para decidir qual baterista substituiria Mike Portnoy, os quatro membros do Dream Theater (James LaBrie nos vocais, John Petrucci na guitarra, John Myung no baixo e Jordan Rudess nos teclados) selecionaram sete talentosos bateristas do mundo todo:

  • Aquiles Priester, ex-Angra e Paul Di´Anno, atual Hangar.
  • Peter Wildoer, do Darkane.
  • Marco Minnemann, ex-Kreator, ex-Necrophagist, ex-Ephel Duath e já tocou Joe Satriani
  • Virgil Donati, do Planet X e do Seven The Hardway.
  • Derek Roddy, do Hate Eternal, Nile e Today is The Day
  • Mike Mangini, ex-Steve Vai, ex-Extreme e ex-Annihilator.
  • Thomas Lang, ex-John Wetton, tocou com Roberto Fripp e Glenn Hughes.

Dos sete, os que mais agradaram ao Dream Theater foram Peter Wildoer, Marco Minnemann e Mike Mangini. Aquiles Priester, único brasileiro do seleto grupo, foi, infelizmente, o “menos melhor” dos sete (pois dizer “pior” para qualquer um desses habilidosos instrumentistas é beirar a ignorância). No final, escolheram Mike Mangini, que realmente surpreendeu aos seus futuros colegas de banda e aos fãs também. Passou por todas as fases do teste deixando boquiabertos os que o assistiram, fases que incluíam tocar três canções do grupo (“A Nightmare to Remember, “Dance of Eternity” e “The Spirit Carries on”), além de improvisar batidas para riffs-surpresas e tempos complexos.

No decorrer dos episódios, vários comentários repetitivos sobre a necessidade do baterista estar em sintonia com a banda, sobre a surpresa da saída de Portnoy, e sobre o entusiasmo para com o próximo álbum que está por vir. Em outras palavras, um festival de imagens com poucas palavras relevantes para apoiá-las.

Da esquerda para a direita: John Myung, Jordan Rudess, James LaBrie, Mike Mangini e John Petrucci.

A escolha de Mike Mengini foi a melhor dentre os sete candidatos, mas não justificou tamanho circo. Uma banda do nível do Dream Theater não precisa, de forma alguma, fazer um show desses, expondo a saída de Mike Portnoy como sendo algo tão público assim. Porém, que isso ajudou a expor o nome do grupo na mídia musical, com certeza ajudou.

Veja abaixo o episódio com a audição de Mike Mangini (que vai de 10:41 até o final do vídeo).

Anúncios

Uma resposta para “A novela “Dream Theater e o baterista”: muitas “images” para poucas “words”

  1. Pingback: “A Dramatic Turn of Events” não empolga, mas é exemplo de bom trabalho do Dream Theater | Sinfonia de Ideias

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s